Como Representar Processos com o BPMN 

No artigo anterior expliquei sobre os diagramas e seus respectivos usos e agora vou abordar de outra maneira citando alguns exemplos mais práticos.

Eventos:

Eventos são elementos comuns na modelagem de processos e representam algo que acontece durante o curso de um processo. São representados graficamente por um circulo.

Os eventos podem ser classificados em 3 tipos:

•  Início: Indica o início de um processo, sendo representado através de um círculo geralmente na cor verde (a cor não faz parte do padrão, mas é uma prática bem adotada pelos desenvolvedores de ferramentas). Pode ter variações indicando que o início foi através de uma mensagem, condição, sinal etc. As figuras abaixo demonstram algumas variações que podem ser utilizadas.

Padrão é usado quando o modelador não indicar um tipo existente.

 

ExemploEventoPadrao

 

Mensagem. Ex.: Email recebido, ordem por telefone, arquivo, ligação  telefônica etc

ExemploEventoMensagem

 

  • Intermediário: Esse tipo de evento pode ocorrer em qualquer situação durante o fluxo de um processo. São os que apresentam o maior tipo de variações e não podem terminar o processo. As figuras abaixo demonstram algumas variações que podem ser utilizadas. Qualquer evento intermediário poderá ser colocado entre tarefas ou atachado nas bordas.

Tempo: O exemplo abaixo indica que a tarefa 2 só será iniciada depois  de aguardar 10 minutos.

ExemploEventoIntermediariopng

O exemplo abaixo indica que um evento de tempo quando atachado na borda de uma tarefa indicará que após 10 minutos a tarefa 1 será   interrompida e o processo continuará para a tarefa 3.

ExemploEventoIntermediario2

Mensagem: O exemplo abaixo indica que uma mensagem for disparada  dentro da tarefa 1 que será interrompida e executará a tarefa 2 e depois  terminará o processo. Uma mensagem pode ser considerada como uma  ligação, e-mail, produto recebido etc.

ExemploEventoIntermediario3

 

Condição: O exemplo abaixo indica uma condição de aquecimento para  que a tarefa seguinte continue.

ExemploEventoIntermediario4

  • Término: Esse tipo de evento termina o processo ou um subprocesso. As figuras abaixo demonstram algumas variações que podem ser utilizadas.

   O exemplo abaixo indica duas situações. A primeira com o círculo  preenchido indica que o processo foi encerrado sem o término normal. E o segundo círculo vermelho sem preenchimento indica que o processo foi encerrado normalmente.

ExemploEventoTermino

Gateways:

 

São locais no processo onde o fluxo pode tomar uma os mais direções. Existem alguns tipos de gateways, sendo que o mais comum é o exclusivo, onde somente um caminho pode ser seguido no fluxo. Os gateways mais usados estão descritos abaixo com exemplos.

 

  • Exclusivo (XOR): Esse tipo de gateway indica ao fluxo que somente um caminho poderá ser seguido.

O exemplo abaixo indica que uma pessoa vai almoçar e só pode escolher um tipo de  prato.

ExemploGatewaysExclusivo

 

  • Inclusivo (OR): Esse tipo de gateway permite que um ou mais caminhos no fluxo sejam permitidos. O exemplo abaixo indica que uma pessoa vai almoçar e pode escolher vários pratos.

ExemploGatewaysInclusivo

 

  • Paralelo (AND): Esse tipo de gateway exige que todos os caminhos (tarefas) sejam executados para o fluxo prosseguir. O exemplo abaixo indica que uma pessoa vai almoçar e a cozinha deve preparar o prato junto com a sobremesa.

ExemploGatewaysParalelo

 

 

 

 

 

Atividades:

São etapas de execução dentro de um fluxo no processo, onde ocorre alguma transformação. Pode ser classificada como tarefa e subprocesso. Existem outras variações, mas questão de simplicidade somente esse dois tipos serão detalhados.

 

Tarefa: É uma atividade indivisível no ponto de vista do processo, e que não vale a pena ser mais detalhada ou subdividida. As tarefas possuem alguns marcadores que são símbolos geralmente situados no canto superior esquerdo que indicam a sua atribuição. As atribuições mais comuns são descritas a seguir.

 

  • Indefinida: É uma tarefa normal sem nenhum tipo de atribuição

tarefa1

  • Manual: É uma tarefa executada geralmente por uma pessoa. Ex.: ligação telefônica, empurrar equipamento etc.

tarefaManual

Atenção: é uma tarefa que é esperada que seja executada sem o suporte de nenhuma aplicação de execução de processos de negócio ou outra aplicação. Um exemplo disso pode ser um técnico de telefonia instalando um telefone no endereço de um cliente.

  • Usuário: É uma tarefa executada geralmente por pessoas com suporte de um sistema. Ex.: Aprovar pedido, Analisar Resultado, e etc.

tarefaUsuario

Atenção: é uma tarefa típica de “workflow” onde um ator humano desempenha a tarefa com a assistência de uma aplicação de software e é disponibilizada através de uma lista de trabalho ou outra forma de gerenciamento semelhante.

  • Serviço: É uma tarefa executada por um sistema. Ex.: Pode ser um WebService uma rotina de cálculo, etc.

tarefaServico

 

  • Script: É uma tarefa executada pelo motor de processos de negócio. Ex: a transformação de um tipo de dado em outro ou a realização de cálculos com os dados da instância do processo.

tarefascript

  • Subprocesso: É um recurso para agrupar a execução das tarefas a fim de simplificar a complexidade de um fluxo do processo. Todo subprocesso deve ter um início e fim. Um subprocesso pode ser expandido para exibir suas tarefas.

tarefa2

Subprocesso ‘Preparar Refeição’ detalhado ou expandido.

exmploSubprocesso

 

Uma tarefa ou subprocesso poderá apresentar uma marcação que indica um loop, conforme figura abaixo:exmploSubprocessotarefa

Qualquer tarefa ou subprocesso poderá ter múltiplos eventos anexados às bordas. No exemplo abaixo uma tarefa possui dois eventos. Um de tempo indicando que após 60 minutos de ter sido recebido o pedido será cancelado e o outro evento é condicional indicando que se o estoque de um ingrediente estiver baixo deve ser reposto.

exmploSubprocessotarefa1

É muito importante que se use as atividades descritas acima do BPMN sejam elas manuais ou não, pois  facilita no entendimento do modelo. Lembrando que também é importante que as palavras estejam sempre  no infinitivo.

Conclusão

Como foi explicado nos artigos, o BPMN veio para mapear processos que antes eram “esquecidos”, ou seja, imagine que todo mês exista um funcionário que gera um relatório e esse relatório é passado para o  diretor da área, ou as vezes até se perde para chegar até  ele, e quando chega ele dá prioridade às outras coisas ou não lembra. E por algum motivo ele não o olha mais, e assim se passam meses, anos e o outro funcionário continua gerando esse relatório. Assim, com o BPMN você consegue ter toda uma visão macro dos processos, inclusive daqueles perdidos, como descrito no exemplo acima.

Existem pessoas que preferem não usar o BPMN, seja pela demanda de tempo de projeto ou porque envolve muita complexidade, mas é um mal necessário para a empresa. Em minha opinião é preferível ter uma visão do todo para se desenvolver algo e não faltar informações que sejam relevantes no dia-a-dia de uma empresa.

 

Referências

http://blog.iprocess.com.br/

http://www.bpmn.org/

Claudia Carolina

Claudia Carolina Boletti, paulista 25 anos, analista de sistemas, atua na área desde 2008, experiência em análise, arquitetura, diagramação e programação, utilizando a plataforma Microsoft, experiência nas áreas: engenharia mecânica,engenharia automação e financeira.Ama tecnologia!

LinkedIn 

Comentários

comentarios